A velocidade da propaganda

Publicado por: Shirley Lima

Com o início da televisão no Brasil em 1950 com Assis Chateaubriand, as empresas passaram a ter um meio publicitário maior a ser explorado.


Já que as grandes multinacionais tinham os seus produtos divulgados em rede local ou Nacional,a velocidade que estas marcas tinham retorno era muito maior que o período quando eram apenas divulgadas em jornais,rádios e nos próprios estabelecimentos comerciais.


A veiculação passou a ter um ritmo acelerado quando agências de publicidade estas que investem pesado em determinadas marcas,tornando-as exclusivas da agência.

Comerciais que deixam a sua marca nos horários nobres da tv,são as que são sem dúvidas mais procuradas pelos consumidores,que vez por outra usam as letras de músicas dos comercias para sair cantarolando por aí.


Letras fáceis ,geralmente são paródias de grandes hits do mundo da música.


Músicas que instigam o consumidor a adquirir um determinado produto, às vezes em questão de minutos.Isso ocorre muito em lojas de departamentos, os clientes ficam envolvidos com o ambiente e adquirem produtos mais rápido.


Já,se estivermos assistindo a um programa na tv aberta ou canal a cabo,a cada intervalo nos deparamos com comerciais a cada dia mais bem elaborados,muitos ainda conseguem manter o tão chamado efeito "zap",que é justamente utilizar do controle remoto na hora da propaganda.Mas,é naquele instante que a emissora a qual estamos assistindo consegue manter o compasso da sua transmissão,pois os patrocinadores do programa exibido é que deixam as emissoras com um tempo de vida maior.Por falar em tempo de vida,um comercial no cinema ele é sempre mais impactante,até pelo tamanho da tela a qual estamos assistindo,geralmente na tv dura em média 30 segundos,no cinema pode chegar a 1 minuto ou até mesmo 10 minutos se for um documentário.O som é mais nítido.


E temos que aguardar o comercial,até começar a nossa sessão,sem nos utilizarmos do efeito "zap" citado anteriormente.


Já,na internet temos a possibilidade de monitoramento,depende muito se queremos clicar ou não para visualizar o comercial a ser exibido.


No Outdoor,por exemplo,a marca de determinado produto ,além de não depender do nosso monitoramento,digamos assim,se estivermos receptivos,vamos memorizar de alguma forma aquela imagem da campanha publicitária e em algum momento vamos lembrar que queremos usufruir de algo que vimos quando passamos e vimos esses painéis nas estradas,em estádios de futebol,ponto de ônibus,entre outros.


Sendo este o objetivo final de um anúncio.


Mas,a cada dia cresce o número de empresas que estampam as contra capas das revistas com os seus anúncios,e com isso o mercado publicitário.É possível ver a crescente dos comerciais por exemplo de operadoras de telefonia,sempre aparecem nos intervalos da maioria da grade da programação de determinada emissora.Só que na prática,não continuam com a mesma agilidade quando precisamos do seu atendimento eletrônico.


Porém,são muito eficientes quando colocam por exemplo a protagonista de alguma novela para lançar um produto.


São tantos meios de execução de um comercial, que o andamento promissor de muitos veículos de comunicação,não permitem que só a tv que teve o seu início no Brasil ha mais de 63 anos deixe que esse setor fique limitado e a pulsação dos comerciais fluam,garantindo constantemente a velocidade da propaganda.