O marketing entre celebridades e políticos

Publicado por: Shirley Lima


 



Orla lotada, final de semana, backstage de shows, camarotes para acomodar os convidados pra lá de 




VIPs, tudo isso são ingredientes para compor um cenário em que os holofotes voltam-se para as celebridades, estas que atraem os tão indesejáveis paparazzos. Na maioria das vezes, eles vão em busca dos flagras que garantem capas de revistas, já a assessoria de marketing e imprensa, no calor desses eventos, tentam driblar  os curiosos dos flagras. Por vezes esses artistas se permitem ser fotografados em momentos de intimidade, combinam com fotogrfos para fazer com que pensemos que é casual, assim muitos artistas anunciam "sem querer" seu novo visual, sua gravidez etc. É feita quase uma assembleia nas bancas e sites para saber, por exemplo, quem é o novo "partido" da atriz ou




cantora; caso sejam questionados sobre a sua vida pessoal, geralmente desconversam, porém se for um casal formado em um reality show ingressam em campanhas publicitárias e irão, sem dúvida, receber ou não a aprovação de cada cliente, aguardando a opinião deles, comparando-se a uma votação, só que neste caso aguardam a aprovação final do consumidor, 




sem urnas, mas quando determinados artistas destacam-se em campanhas publicitárias ao sair desses eventos costumam adotar a política da boa vizinhança, e por falar em política, lembrei o último feriado, orla lotada, candidatos fazendo seu marketing pessoal, ou seja, muitos foram pessoalmente panfletar na praia, papéis com sua foto e numeração, esses panfletos são mais conhecidos como santinhos, o que na prática não condiz com a realidade da política no nosso país. Começam se elegendo com os santinhos e aos poucos revelam a controvérsia de toda a expectativa adotado em seu mandato, mas quem nunca errou? Propostas de campanhas com contra-ataques chulos, provavelmente os que têm mais verba para investir em campanhas publicitárias são os que ganham mais destaque, mais condicionamento para beneficiar candidatos de partidos que dominam a política no momento não deve existir. É importante observar os novos e procurar entender as suas propostas. Quem não gostaria de mais dinheiro, de ter mais verba para investir em sua campanha, ou seja, para beneficiar o seu próprio marketing?




Que critério as empresas utilizam para aprovar ou não uma candidatura? Já que com mais recursos o horário no guia eleitoral aumenta. Cada um com seu espaço. Você deve ter convicção da sua escolha. O marketing não deverá influenciar consideravelmente.




Afinal, devemos jogar as nossas fichas e apostar no candidato que o convença por meio da sua forma segura, íntegra, honesta. Existem candidatos que parecem celebridades rodeados por um caminho de seguranças, assessores, maquiador...




Sem falar nos cabeleireiros para que a sua equipe de marketing os deixe impecáveis para as fotos publicitárias em outdoor.




Não é só isso que deve ficar em evidência, é necessário ficar atento aos resultados das pesquisas Ibope e procurar ver o embasamento desses resultados que elevam ou rebaixam os gráficos.




Porque somos praticamente os paparazzos desses cidadãos, buscamos cada gesto, cada ângulo desses candidatos, para compor a nossa escolha. Depois dos debates, no entanto, devemos limpar a ficha da nossa convicção, deixá-la impregnada da opinião clara, objetiva.




Mas, focando nas estratégias de marketing, e sim nas promessas com fundamento, porém sem resultados milagrosos.




Acima de tudo, devemos ter a certeza de que são asserções cabíveis, dentro da experiência que cada concorrente traz.




No dia da eleição, não será a orla  que estará lotada e nem os backstages de shows, nem os bastidores de debates políticos, serão as urnas. E, neste dia, os holofotes estarão voltados para a sua decisão.